segunda-feira, janeiro 16, 2012

O Mau e o Bom Vinho


No sábado fomos jantar com três casais amigos e a meio da noite dei por mim a imaginar como era o ambiente das tabernas, que nunca frequentei.

Um dos anfitriões tinha bebido mais que a conta e não só falava demasiado alto, como se intrometia em todas as conversas, só com um objectivo, torná-las impossíveis, inventando discussões sem pés nem cabeça, que nos deixavam a olhar uns para os outros.

A sua companheira começou a cantarolar, tentando desanuviar o ambiente. Ele respondeu-lhe com um grito, o que fez com que as outras mulheres também começassem a cantar. 

Não sei se já via a dobrar, o que é certo é que começou a sorrir, perante a pertinente solidariedade feminina, apelidando-as de "vozes de cana rachada".

Inventou mais discussões, até comigo. Ignorei-o e comecei a falar com outro amigo, até por não ter grande intimidade com ele, a amiga era a Laura. 

No fim da noite recordei que aturei várias bebedeiras pela noite dentro, mas tive quase sempre a sorte de ter amigos com "bom vinho", incapazes de estragar (ou pelo menos tentar) um jantar de amigos.

O óleo é de Alfredo Garcia Gil.

6 comentários:

  1. Como dizia alguém, o vinho é tão bom amigo que não tolera que abusem dele... e a vingança é terrível.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. há pessoas que não deviam beber...

    ResponderEliminar
  3. é mesmo, Elvira.

    o problema é serem terceiros a pagaram os excessos...

    ResponderEliminar
  4. É uma tristeza pessoas que não sabem beber.
    Eu isso, muito francamente, já não aturo.

    ResponderEliminar
  5. muito triste, mesmo, George.

    ResponderEliminar