terça-feira, novembro 20, 2018

«Gostamos menos das coisas, todas, incluindo as pessoas...»


Talvez...

Foi a palavra que me saiu, quando a Dulce me disse: «gostamos menos das coisas, todas, incluindo as pessoas...»

Entretanto fui andando até a casa e não foi difícil chegar à conclusão de que o meu talvez já era um sim.

Tudo parece custar pouco, tudo parece insignificante, especialmente para os nossos filhos, que em vez de os empurrarmos porta fora, de vez enquanto, continuamos a guardar um lugar para eles, no "colo". 

E pior, deixamos que eles vistam e calcem marcas, mais pelo preço e pelo nome que pela qualidade ou beleza. Sem falar do telemóvel, quase da última geração.

E não sei se é possível voltar a gostar das coisas, como se gostava ontem, incluindo as pessoas...

(Fotografia de Luís Eme)

segunda-feira, novembro 19, 2018

«Não sei o que é que o Manuel Alegre quer»


Quando vinha para casa ao fim do dia escutei a voz de um casal jovem, meio irritados. alguns metros atrás de mim. Ela exclamou: «não sei o que é que o Manuel Alegre quer.»

Pelo teor da conversa percebi que deviam ser dois jovens politizados, que tanto podiam ser do PS como do BE ou do PAN.

Apeteceu-me dizer-lhes que sabia o que Manuel Alegre queria, mas não quis ser metediço, muito menos mal interpretado.

Não é a tourada, a caça, ou outra coisa qualquer, que estão em causa. Está em causa sobretudo a nossa liberdade. E também a capacidade de fazermos a leitura política do que está a passar, um pouco por todo o lado: a tentativa das minorias de imporem aquilo que acham certo,  mesmo que contrariem a vontade de setenta ou oitenta por cento da população.

Fingem-se grandes defensores do ambiente, dos animais e da saúde, mas o que querem mesmo é contrariar a liberdade dos outros.

E não deixam de ser contraditórios.  Se por um lado defendem a proibição do uso do sal e do açúcar, por outro querem liberalizar o uso das "drogas leves". Nem têm dificuldade em arranjar declarações médicas de que a liamba e o haxixe fazem muito melhor à saúde que os sabores adocicados e salgados da comida...

E como gostam muito de ervas, provavelmente querem que todos nos tornemos vegetarianos...

Ou seja, a liberdade é uma coisa muito boa, mas só para eles.

(Fotografia de Luís Eme)

domingo, novembro 18, 2018

Almada, Lisboa, Saramago e Ricardo Reis...


A chuva não foi a melhor amiga do "3º. Encontro Ibérico de Leitores de Saramago", que decorreu de sexta a domingo, em Almada (e Lisboa, claro...).

Houve algumas coisas no sábado que eu queria escutar na Biblioteca José Saramago, no Feijó, mas que acabaram por não serem possíveis, por compromissos familiares.

Mas hoje não me assustei com a chuva matinal e fui mesmo até Lisboa, fazer uma "Viagem com Saramago", que se iniciava na sua Casa e se prolongava pelas ruas da Capital, num percurso a partir de "O Ano da Morte de Ricardo Reis".


Apesar da espera quase grande à porta (pelo menos para um dia de chuva...), valeu a pena aparecer, pela simpática e alegre recepção de Pilar - muito mais simpática e agradável ao vivo que na televisão - e dos funcionários da Fundação.


E quando voltámos à rua, a chuva (embora suave...), também quis fazer o percurso connosco. Um percurso agradável, diga-se de passagem, guiado pela Idália, que muito nos contou sobre o Ricardo Reis de José Saramago.

(Fotografias de Luís Eme)

sexta-feira, novembro 16, 2018

O Pescador sem Anzol...


Ao ler a crónica de hoje de Nuno Camarneiro no "Diário de Notícias" lembrei-me de um homem singular que cirandou pelas margens do Tejo, à procura de poemas, disfarçado de pescador.

Só os amigos chegados é que sabiam que ele não usava anzol na ponta da linha, apenas uma chumbada, para se exercitar de vez enquanto, a fazer lançamentos para o meio do rio...

E era uma alegria para ele voltar para casa aparentemente sem pesca, mas com um ou outro poema...

Quando era confrontado com a sua alma de "fingidor", acrescentava com alguma lata: «Eu até nem gosto de peixe...»

(Fotografia de Luís Eme)

quinta-feira, novembro 15, 2018

O Tempo das Frases (curtas de preferência)...


Acho que já quase toda a gente percebeu que não se lê menos que no século passado, lê-se sim de uma outra forma.

É o tempo do efémero, do curto, do pequeno, do banal, do suave e de outras tantas ligeirezas.

A forma de comunicar é diferente. A China ou a Austrália estão logo ali ao virar da esquina (deste que a "net" que usamos não seja da "idade da pedra"...). A velocidade com que giramos pelo mundo é tal que vamos encurtando palavras, frases e textos.


Isso explica em parte que as pequenas frases estejam a "ganhar" às crónicas, aos contos, aos romances e ensaios...

Mas não se lê menos. Lê-se de uma forma diferente. Lê-se mais dentro das "máquinas" e menos dentro dos jornais e livros...

(Fotografias de Luís Eme)

quarta-feira, novembro 14, 2018

Quando Começam a Sair da Toca...


Um octogenário andou anos e anos a desmentir, e a esconder, que fez parte da Legião Portuguesa. 

Mas eis que o "mundo mudou" e também ele aproveitou a "onda" e começou a perder a vergonha (deve estar agradecido ao Trump, ao Erdogan,  e agora ao Bolsonaro...) e já se passeia pela rua com o emblema da Legião na lapela.

Normalmente não o levam a sério e dizem que o senhor "ensandeceu".

Mas o problema é maior do que parece, como muito bem referiu o Mário, que normalmente fala mais com os ouvidos, ao recordar-nos que o perigo não é o velho. O verdadeiro problema poderão ser os netos dos Pides, dos Legionários, dos Latifundiários e de outra gente do 24 de Abril, quando começarem a exteriorizar o orgulho que sentem por descender desta gentalha que brincou com a dignidade, a honra e a liberdade de tantos homens e mulheres do nosso país... 

(Fotografia de Luís Eme)

terça-feira, novembro 13, 2018

Uma (boa) Rota de Vida...


Hoje, ao fim da tarde será apresentada na Biblioteca do Palácio Galveias, a biografia de José Saramago, assinada por Joaquim Vieira.

Pelo que li na notícia publicada no DN, assinada por João Céu e Silva, é uma obra extremamente importante, e única (até agora...), pela abordagem diferente que faz do nosso Nobel da Literatura. 

Deixo-vos duas transcrições da peça jornalística:

«O biógrafo Joaquim Vieira faz um levantamento exaustivo do seu percurso de vida com recurso a inúmeras entrevistas de quem o conheceu ou trabalhou com ele, revê estudos e investigações de outros sobre o biografado, e escreve o mais longo trabalho que Saramago teve até agora sobre a sua vida e obra. Que esclarece bastantes pormenores de uma vida que foi dourada por amigos, contestada por inimigos, maltratada por estudiosos da literatura das últimas décadas, analisada com despeito ideológico por alguma crítica literária e até amaldiçoada por várias figuras governativas pouco esclarecidas.»

«A melhor notícia é que esta biografia escapa à hagiografia habitual dos que estavam próximos de Saramago e dos que lhe estão ainda. Não retira um ponto da sua vida ideológica como se vai tentando esbater, não ignora a sua roda-viva emocional que colegas seus fazem questão de debicar em sussurro, não passa ao lado das invejas na vida editorial que o "jovem" Saramago tem de enfrentar quando se tenta aproximar dos "grandes" durante o anterior regime, não esquece as duas primeiras mulheres nem o papel de Isabel da Nóbrega nos primeiros grandes sucessos de Saramago.»
                                                  

segunda-feira, novembro 12, 2018

Os Novos (quase velhos) Artistas de Rua...


Os chamados artistas de rua eram normalmente pessoas com algum talento circense ou musical, que animavam (e ainda animam, felizmente...) as ruas.

Mas ontem o Gui resolveu oferecer-me uma nova versão (que nem sequer é nova...), com gente cujo único talento visível é a aposta na diferença, na originalidade. São artistas sobretudo pela forma como se vestem, se pintam e se penteiam e depois se inventam e popularizam no "instagram".

Claro que não concordei com o Gui. E até lhe dei como exemplo esta Lisboa turística, que está a ser um bom "maná" para todos aqueles que escolhem as ruas para o seu palco diário, onde oferecem a sua arte a troco de algumas moedas.

Talvez as pessoas  originais também sejam "artistas", mas estão numa arte diferente...

(Fotografia de Luís Eme)

sábado, novembro 10, 2018

Um Hábito cada Vez mais Normal...


Esta mania dos políticos nos quererem passar "atestados de estupidez",  fiados na sua "chica-espertice", começa a ultrapassar todos os limites.

Já todos tínhamos percebido que uma boa parte deles gosta de "dourar" os currículos com cursos que nunca frequentaram, e cargos que nunca ocuparam, 

Depois há as dezenas de histórias com dinheiros de casas, viagens e fatiotas, do domínio da ficção... mas aceites, porque "os políticos têm ordenados baixos" (pobres coitados, devem receber pouco mais que o ordenado mínimo, tal como a maioria dos portugueses...). 

Só faltava mesmo a "denúncia" (feita pelos seus próprios pares...), de um registo duplo indevido na "folha de presenças" (algo que deve ser mais comum do que parece)...

Como se começou a falar de investigações, com a polícia judiciária e o ministério público ao "barulho", a senhora deputada que registou a presença do senhor Silvano, resolveu "dar a cara" e falar da "normalidade" da partilha de "senhas" dos computadores pessoais do grupo parlamentar... e pior ainda, de distracção. Sim, registou o nome do colega de bancada, sem perceber que o estava a fazer, e logo por duas vezes...

Não menos grave é o presidente do seu partido, achar que tudo isto não passam de "fair-divers"... Pelo menos o líder parlamentar teve a decência de dizer que nunca partilhou a sua "senha" com ninguém...

Tenho de acabar este texto com uma pergunta óbvia: como é que "gente deste calibre" chegou ao parlamento, onde nos está a representar?

(Fotografia de Luís Eme)

sexta-feira, novembro 09, 2018

«Lembrem-se sempre, que a cultura faz bem à alma»


As culturas e as artes quando se discutem, quase como o futebol, são mais problemáticas do que o que parece, por vezes só falta mesmo voarem as "cadeiras do costume".

Há quem pareça ter saudades do século XIX e da primeira metade do século XX, em que o mundo das artes estava ao alcance apenas de uma minoria instruída e cultivada, como o Rui.

Não valeu de nada dizer que o teatro amador já existia no século XIX, muitas vezes interpretado por homens e mulheres analfabetos, que decoravam os textos oralmente... Muito menos que as coisas da cultura sempre foram apelativas e que não foi agora que se "inventou" gente sem jeito, a querer ser o que não é...

O Ricardo falou do futebol do tempo do avô, que quase não tinha espectadores, porque o que toda a gente queria era jogar... e acrescentou, que daqui a uns tempos os "saramagos, os "pomares" e os "cintras" se iam cansar, de escrever, de pintar ou de teatrar.

Nenhum de nós acreditou muito nisso. 

Percebe-se que estamos a passar por um retrocesso civilizacional na sociedade, além da falta de sentido estético e crítico, há sobretudo falta de rigor e de pudor.  Foi por isso que o Gui disse, que nunca se viveu tanto na "mentira" como hoje (sem  falar em "trumpadas"...). E foi ainda mais longe que qualquer um de nós: «já repararam que nunca foi tão fácil copiar e roubar o trabalho dos outros? Vai-se à internet e rouba-se um texto alheio e finge-se que é nosso com a maior das descontracções. Sem sequer ter de se escrever nada, é só copiar e colar.»

Foi quando o João acalmou a mesa: «lembrem-se sempre, que a cultura faz bem à alma.»

O mais curioso, é que depois desta conversa, atravessei o rio e já no centro de Almada, descobri a exposição de que falei ontem. 

E todos aqueles trabalhos artísticos, feitos por pessoas com deficiência, têm de ser entendidos como uma coisa boa (sem pensar em ética e estética...). O João tem toda a razão: a Cultura faz bem à Alma...

(Fotografia de Luís Eme)

quinta-feira, novembro 08, 2018

"Arte e Criatividade" em Almada


Uma das exposições que gosto sempre de ver na Oficina de Cultura de Almada é a do concurso "Arte e Criatividade", que nos mostra a arte e a sensibilidade das pessoas com deficiência do Concelho.

Gostei de tudo, mas achei "O Quintal da Alegria" (fotografia), um trabalho colectivo da Associação Alma Sã, especial...

(Fotografia de Luís Eme) 

quarta-feira, novembro 07, 2018

A "Tralha" que se Guarda...


Nós que vivemos em pequenos apartamentos, guardamos muitas vezes coisas que, além de "sobrarem", ocupam demasiado espaço e... inevitavelmente, passados tempos, acabamos por "esquecer" a sua existência. E não falo apenas de livros...

O que seria de nós se tivéssemos uma grande herdade, com dois ou três armazéns enormes, capazes de guardar coisa como um "carrossel mágico" ou até uma "montanha russa"...

Não pensem que exagero. Um homem recentemente falecido, tinha um armazém que era o seu espaço de sonhos e de alguma magia, onde ia acumulando coisas de que gostava e comprava em feiras de velharias, quase sempre para recuperar, mas o maldito tempo, o seu "principal inimigo", nunca lhe deu tréguas.

Dos seus quatro filhos apenas a Margarida sabia deste passatempo do pai, porque o acompanhara mais que uma vez a estas feiras, que misturam memórias com objectos. Mas estava longe de imaginar o que iria encontrar dentro de um dos armazém da quinta... 

Sabiam apenas que o outro armazém tinha umas duas dúzias de carros (o pai nunca se desfizera de nenhum carro da família, havia um mercedes dos anos cinquenta que fora do avô, mas também uma charrete de luxo que vinha do século dezanove, que ninguém sabia ao certo a origem...), porque os irmãos desde pequenos que gostavam de passar por lá e brincar às escondidas do pai. Agora o outro, só ganhou forma depois de 1974. O pai começou por guardar peças de trabalho da lavoura, entretanto substituídas por máquinas... mas quando deu por ela, tinha um verdadeiro "museu" de relíquias...

Toda esta conversa, porque de todos estes objectos, há um que acaba por ser especial e do qual já falei: o carrossel mágico, que quase lhe foi oferecido, por estar a ocupar demasiado espaço na família de um antigo feirante. Ele sempre pensou em recuperá-lo. É quase todo feito em madeira e ainda sobressaem algumas cores decorativas, especialmente as dos animais (zebras, girafas, cavalos, tigres, etc,) da selva.

E agora esta recuperação passou a ser o sonho do Miguel (filho da Margarida...). Está apostado em tornar real a vontade do avô...

(Fotografia de Luís Eme - foi o que encontrei mais parecido com um "carrossel mágico", embora este seja quase moderno)