quinta-feira, novembro 21, 2019

Estes Dias com Nuvens...


Não há nada como estes dias, que fingem ser de Inverno, para quem gosta de "apanhar boleia das nuvens", e andar por aí, meio perdido, quase à boleia do vento...

(Fotografia de Luis Eme - Monte de Caparica)

quarta-feira, novembro 20, 2019

"Crime e Castigo" em Almada


A Casa da Cerca volta a receber uma exposição comissariada por Jorge Silva, desta vez com ilustrações da literatura policial portuguesa, com o título, "Crime e Castigo".


É extraordinário o efeito das capas dos pequenos livros, em tamanho de poster. Só assim olhamos com olhos de ver para a sua qualidade artística (e muitas delas foram mesmo feitas por grandes artistas plásticos portugueses...).

É uma exposição simples, mas bonita, e que vale a pena apreciar...

(Fotografias de Luís Eme - Almada)

terça-feira, novembro 19, 2019

A Falta de Memória do Futebol...


Faz-me confusão a quantidade de pessoas, pelo mundo inteiro, que depois de tantos recordes, tantos títulos e tantos golos, ainda continua a colocar em causa a qualidade futebolística de Cristiano Ronaldo.

Por estar com problemas físicos (informação dada pelo seu treinador e por ele próprio) e por não gostar de ser substituído (visionado pelo mundo inteiro e assumido pelo jogador), tem sido alvo de todo o género de ataques, alguns de onde menos se esperava, da própria Itália, que viu Ronaldo colocar a Serie A, de novo, no topo nas principais ligas de futebol da Europa...

Um treinador italiano de renome mundial até foi capaz de dizer a patetice, mentirosa, de que Cristiano não faz um drible há três anos (além de driblar em todos os treinos, também o faz em quase todos os jogos... claro que há muito tempo que não faz "números de circo", por saber que são quase sempre inconsequentes...).

Sei que o futebol é a área social com mais falta de memória, passa-se de besta a bestial e vice-versa, em minutos, mas Cristiano Ronaldo é Cristiano Ronaldo.

(Fotografia de Luís Eme - Cacilhas)

segunda-feira, novembro 18, 2019

Os Três "Falsos Cavalheiros"...


Quando cheguei à paragem do autocarro, estavam lá apenas duas pessoas.

Alguns minutos depois, quando chegou o primeiro autocarro, já éramos uma dúzia.

As pessoas de idade - como de costume - são quem menos respeita a ordem de chegada. Nada que me preocupe, até por a minha viagem ser curta, pouco mais de cinco minutos.

Mas achei curioso que três homens de idade me passassem à frente e depois quando já estavam quase a entrar, interrompessem a marcha para deixarem passar duas senhoras da sua geração, tendo um deles dito com alguma vaidade "primeiro as senhoras". Esqueceu-se foi que atrás dele estavam duas senhoras de cor, que me olharam com cara de caso e responderam-lhe com alguma lata, "Então e nós?". 

Eu deixei-as passar à minha frente e disse-lhes que era por virem de calças, o que as fez sorrir.

O mais curioso foi elas fazerem questão de se sentarem ao lado de dois dos três "maduros"... Até porque havia mais lugares sentados vagos (fizeram-lhes quase marcação cerrada).

(Fotografia de Luís Eme - Cacilhas)

sábado, novembro 16, 2019

A Verdadeira Paternidade e a Quase Acidental...


As primeiras palavras do título do livro de António Policarpo, apresentado hoje na Cova da Piedade ("Pais Fundadores"), fizeram-me pensar que, sim, há fundadores e fundadores, das Associações, Colectividades, Clubes ou Sociedades - há denominações para todos os gostos. 

Há aqueles que assumem mesmo a sua "paternidade" e fazem tudo para que o crescimento do Clube que ajudaram a criar, seja harmonioso. E depois há os outros, cujo nome consta na lista de fundadores, mas pouco mais fizeram, além de terem emprestado o seu nome, para que ficasse para a história (mesmo que a sua fosse e seja tão insignificante...).

Infelizmente, também é assim na vida, o que não faltam por aí são pais ausentes...

(Fotografia de Luís Eme - Lisboa)

sexta-feira, novembro 15, 2019

É Bom Quando o Povo Ergue a Voz e se Levanta...


É uma coisa rara, mas de longe a longe, o povo ergue a sua voz e levanta-se, para lutar pelos seus direitos. Tem quase sempre razão. E por muito que os governantes se esforcem para o silenciar, menorizando as suas palavras, muitas vezes com o recurso a "leis", "pareceres técnicos" e essa coisa que chamam "interesse nacional", nada o faz demover da sua "luta", contra aquilo que considera nefasto para todos.

E nem mesmo a presença das forças da autoridade o fez arredar pé. Foi assim com a plantação de eucaliptos em Valpaços, em 1989, e também com o célebre "buzinão" na Ponte 25 de Abril, em 1994. Em ambos os casos, apesar do uso da violência, o Povo  não baixou os braços e obrigou o governo a recuar...

Espero que aconteça o mesmo com as manifestações contra a exploração do lítio, que os habitantes de Boticas (e das outras regiões) não percam a coragem e sigam estes exemplos na defesa dos seus interesses, na defesa do ambiente e da sua qualidade de vida - que como de costume, são os interesses de todos nós, mesmo que estejamos distantes.

Nota: Se puderem, leiam o artigo de opinião de Daniel Deusdado, publicado hoje no "Diário de Notícias".

(Fotografia de Luís Eme - Serra da Estrela)

quinta-feira, novembro 14, 2019

Não há Mesmo...


Já foi, mas os cartazes continuam por aí, espalhados pela cidade.

Embora seja uma "verdade lapalisiana", não deixa de ter alguma graça o seu uso, até para encontros de arte, que querem ser diferentes (aliás, emergentes, entre outras coisas) dos outros...

(Fotografia de Luís Eme - Cacilhas)

quarta-feira, novembro 13, 2019

A Vida Pública e a Vida Privada...


Percebe-se através das chamadas "notícias mundanas", que é cada vez mais difícil separar a vida pública da vida privada.

Há quem diga que o problema está em abrir a "porta de casa ao mundo", mesmo que isso apenas aconteça  uma vez... Mas percebe-se que o problema é bem mais complexo que isso...

O último caso mediático que nos fala da dificuldade que existe em se "separarem as águas", teve como protagonistas quatro jogadores de futebol sul-americanos, do FC Porto, suspensos pelo clube, por estarem presentes na festa de aniversário da mulher de um deles, a horas impróprias.

O mais curioso, foi este caso ter-se tornado público graças à aniversariante, que colocou as imagens e videos da festa nas suas contas das redes sociais. Ou seja, nem foi preciso os jornalistas das revistas coloridas "fabricarem a notícia", ela saiu directamente da fonte...

Tudo isto só me merece um comentário: a vaidade é terrível. E pode sair cara (o que aconteceu neste caso particular, aos quatro futebolistas...).

(Fotografia de Luís Eme - Almada)

terça-feira, novembro 12, 2019

Nunca Sabemos o que se Esconde Atrás dos Muros de Nuvens...


O que aconteceu na Bolívia nos últimos dias, é apenas mais um dos vários golpes políticos, que têm conseguido virar de pernas para o ar, os vários países da Latina-América, quando tentam caminhar na direcção das "setas" indicadoras do socialismo e do comunismo.

Mesmo que não seja adepto das "teorias de conspiração", não posso deixar de pensar nos relatos de alguns amigos comunistas, que sempre que acontece algo de anormal por aqueles lados, apontam o dedo à CIA e aos EUA. 

E se estivermos atentos à história recente da América do Sul, é difícil não lhes dar razão...

(Fotografia de Luís Eme - Lisboa)

segunda-feira, novembro 11, 2019

O Nosso São Martinho


Dois amigos que estavam a meu lado durante o almoço transformaram a refeição num quase "duelo de palavras". Por vezes mais acesas, ao ponto de um dos nossos "moderadores" tentar - sem sucesso - colocar ordem na mesa, com o argumento de estarmos a incomodar a vizinhança.

Mas percebia-se que a vizinhança até estava a gostar daquele "teatrinho", tal como nós.

Foi quando o Chico lembrou o Carlos que era dia de São Martinho e perguntou-lhe se não havia umas "castanhitas para a malta".

Ele ficou um pouco surpreendido e desarmado com o pedido. M o que é certo, é que depois de nos trazer os cafés, apareceu com dois pratos de castanhas cozidas e um jarro de água-pé.

O Chico quase que nos segredou que o Carlos devia ter ido comprar as castanhas no mini-mercado ao lado, só para que festejássemos o São Martinho na sua "casa".

É por estas pequenas coisas que gostamos de almoçar no "Olivença"...

(Fotografia de Luís Eme - Almada)

domingo, novembro 10, 2019

«Em que vos posso ser útil?»


Tirei este título, "Em que vos posso ser útil?", de um artigo de 2006, que se reporta à visita de Luís Miguel Cintra, à reitoria da Universidade de Letras de Lisboa, no âmbito do Fatal (Festival Anual de Teatro Académico), que não sei se ainda se faz (a "troika" conseguiu acabar com demasiados festivais de teatro e cinema de Norte a Sul)...

Pensei nele porque há dias cruzei-me com uma professora amiga que me desafiou para visitar a sua escola e ir falar sobre fotografia aos alunos, eu que finjo que não sou "fotógrafo" (e não sou, sempre que posso fujo da técnica, dos truques e segredos, refugiando-me apenas no que os meus olhos querem ver e descobrir...), porque pertenço mais ao mundo das palavras. 

Mas depois pensei que podia falar das duas coisas, de fotografia e de palavras (palavras de grandes fotógrafos...), puxando pela criatividade e pelo pensamento autónomo dos alunos, que como se diz por aí, eles usam menos do que deviam, porque a coisa mais fácil sempre foi seguir o "rebanho", especialmente na adolescência.

Mas não se pense que são apenas os jovens que evitam pensar pela sua cabeça, os adultos gostam de fazer o mesmo. Como de costume, a descoberta do bebé por um "sem-abrigo", filho de uma jovem "sem-abrigo", deu espaço para todos os disparates (o "facebook", pelo que me contam, continua a ser rei e senhor da "ignorância", da "esperteza saloia", e pior de tudo, do "insulto fácil", mas isso são outros "quinhentinhos"...).

Desde a "estátua" que querem erguer ao "sem-abrigo" (desconfio que ele agradecia mais um quarto e uma mesada...) ao linchamento público que querem fazer à "rameira" e "drogada" (só falta fazerem o que ainda se faz pelo Oriente, acabarem com a sua vida à "pedrada"...).

Tudo isto para dizer, que faz tanta falta neste país (e no Mundo...), as pessoas pensarem pela sua cabeça. Um bocado de cepticismo num fez mal nenhum ao mundo... E isso tem de começar nas escolas, os jovens têm de ser educados a pensar pela sua cabeça, a não a acreditar às primeiras, em tudo o que lêem...

Sei que falar disto na escola, é mais importante que falar de fotografia ou de livros...

(Fotografia de Luís Eme - Lisboa)

sexta-feira, novembro 08, 2019

Heroísmo é Outra Coisa...


O Presidente da República chamou heroísmo, ao acto de um homem, "sem-abrigo", que ao ouvir o choro de um bebé, acabou por se aproximar de um "ecoponto" de embalagens e retirou um recém-nascido, sem qualquer peça de roupa e pediu ajuda médica. Hoje soube-se que fora depositado lá pela mãe, uma jovem de 22 anos, também ela, sem-abrigo, pouco tempo depois de dar à luz, em plena rua, sem qualquer apoio.

Eu chamo-lhe apenas humanismo, o acto deste homem. E não consigo ver nada de heróico no seu gesto, tal como no técnico do INEM, que não fez mais do que aquilo que é a sua função, prestar os primeiros socorros a quem sofre qualquer acidente, antes de o transportar para o hospital.

Acho que nem é bem o País, é mais o Presidente (e as televisões, claro, todas), que vive sedento de "histórias" e de "super-heróis" (deve ser por isso que gosta tanto de dar medalhas...).

(Fotografia de Luís Eme - Tejo)