segunda-feira, agosto 22, 2011

Não me Lembrava do Teu Nome...


Não me lembrava do teu nome, apenas do teu rosto, do teu olhar feliz, capaz de acalmar a minha rebeldia de adolescente tardio.


Embora já nos conhecêssemos, só começámos a reparar mais um no outro nas viagens nocturnas de comboio, que fazíamos entre as Caldas e Lisboa, nesses anos oitenta do século passado. Na Primavera assumimos o nosso namoro que durou até ao Outono.

Passei um Verão diferente, mais calmo e mais apaixonado, com um pé quase de fora da trupe "Os Ibéricos", que animava a lagoa e o mar da Foz do Arelho, com as sessões infindáveis de mergulhos, para todos os gostos.

Nunca passeei tanto pelos recantos da Lagoa de Óbidos como nessa época, de bicicleta com a tua companhia. Descobri lugares únicos onde não voltei.

Não me lembrava do teu nome mas lembrava-me do teu corte de cabelo à rapaz e do teu corpo esguio, que fui desbravando com a inocência de quem ainda andava a apalpar o amor.

Nunca percebi porque razão não chegámos ao Inverno.

O óleo é de LIz Ridgway.

26 comentários:

  1. Quantos amores de verão não chegam sequer ao outono...
    Lindo!

    Beijinho, Luís.

    ResponderEliminar
  2. Nem sempre se sabe porque sentimentos nao duram. Os amores de verao tem a tendencia a ser isso mesmo: amores de verao.

    ResponderEliminar
  3. Há aquele texto que acho muito pertinente, sobre o tempo que cada pessoa esta destinada a permanecer na nossa vida. A pessoas de sempre, de anos, de alguns meses, de umas poucas semanas, de alguns dias ou de apenas algumas horas e, se calhar, são as últimas que permanecem para sempre nas nossas memórias. Como dizem os espanhóis: Lo bueno breve, es dos veces bueno.

    Doce texto, Luis.
    As férias acabaram e deixaram lembranças inesquecíveis.
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Ai... leia-se "Há pessoas..."

    ResponderEliminar
  5. porque é que os invernos chegavam... nesse tempo havia de ser sempre verão!
    agora também já só apetece que seja sempre verão!
    deve ser a idade a "crescer"...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Amores de adolescente tão intensos que ardem no fogo da sua própria intensidade, mas dos quais muitas vezes fica um pedacinho de cinza no fundo de uma qualquer gaveta da memória.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. O "spleen" que fica vincado no palimpsesto que é a nossa vida.

    ResponderEliminar
  8. Gostei do conto.
    "... que fui desbravando com a inocência de quem ainda andava a apalpar o amor."- o amor é para se ir desbravando, apalpando, reinventando...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  9. Haverá sempre coisas que nunca vamos perceber.

    Beijinhos, Luís:)

    ResponderEliminar
  10. Ai os amores de Verão! Ai que bom estar apaixonado no Verão! Depois (re)começa o trabalho ou a escola e tudo volta ao cinzento da vida de todos os dias com as pessoa de todos os dias. E, por vezes, muitas vezes, quebra-se a magia...

    Beijinhos salgados...

    ResponderEliminar
  11. delícia de texto.
    nunca percebi porque razão nao chegamos ao inverno, tanta coisa que fica por entender.
    gostei muito.
    um beij

    ResponderEliminar
  12. pois não, Catarina.

    parece que os amores de Verão não aguentam o frio.

    ResponderEliminar
  13. não partilho da opinião dos espanhóis, Lóri.

    nós é que não aceitamos que as coisas durem tão pouco, por isso é que lutamos com a "memória". :)

    ResponderEliminar
  14. o Verão é melhor também para o amor, Gaivota. :)

    ResponderEliminar
  15. é isso, Elvira, tudo é intenso na juventude. :)

    ResponderEliminar
  16. é um conto quase verdadeiro, Filoxera (aqui só para nós, ela não tinha cabelo à rapaz...) :)

    ResponderEliminar
  17. Sim, Virginia. é isso que dá graça e alimenta a vida.

    ResponderEliminar
  18. sim, Carol, nesses tempos quase tudo é mágico. :)

    ResponderEliminar
  19. é, Piedade.

    escapa ao nosso entendimento mesmo. :)

    ResponderEliminar
  20. porque só durou no tempo quente, Olinda.

    ResponderEliminar
  21. Ahhh lindo...un amor de verano, que no llega a otoño pero se recuerda incluso pasdo el invierno..feliz lo que resta de verano

    ResponderEliminar
  22. olá Momo.

    espero que o teu Verão esteja a ser óptimo.

    ResponderEliminar