terça-feira, novembro 19, 2013

«Eu conheço-te.»


Não é de todo normal, uma mulher aproximar-se de nós, apontar o dedo (sim daqueles com gatilho...) e dizer: «eu conheço-te». Tudo isto sem perder o passo apressado e deixar de se misturar com a multidão que aparece e desaparece em segundos nas estações de metro. 

Talvez estivesse mesmo com pressa, talvez tivesse alguém à espera.

Durante vários minutos tentei descodificar aquele olhar, perceber se de facto a conhecia e de onde.

Não consegui chegar a qualquer conclusão. Já sabia que minha memória começava a perder qualidades, embora aquele rosto fosse giro e fugisse à vulgaridade...

O óleo é de Malcolm T. Liepke.

6 comentários:

  1. Quem sabe conhece mesmo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Alguma velha colega do Liceu...

    ResponderEliminar
  3. nã... é outro filme, Graça.

    ResponderEliminar
  4. se ia de boina preta...se calhar era eu!

    :(

    (mas de dedo em riste acho que não!)

    rsrsrs


    :)

    ResponderEliminar
  5. e disseste que me conhecias, Piedade?

    :)

    ResponderEliminar