segunda-feira, abril 25, 2011

Os Cravos como Metáfora da Liberdade


Os cravos, um dos símbolos da Revolução de Abril, explicam muitas coisas, até o significado da palavra Liberdade, para tanta gente, que anda hoje por aí nas ruas...


Como observador do quotidiano reparei que neste dia bonito, em que é comum distribuírem-se cravos pelas ruas, há sempre alguém que tenta levar meia dúzia de flores para casa, sem se importar que muitos dos companheiros de rua não tenham um único cravo na mão, para festejar este dia único.

O mais grave da coisa, é que este gesto é cada vez mais natural, explicando-me que essa coisa que chamamos Liberdade nunca foi igual para todos...

8 comentários:

  1. Sei que estás em festa, pá
    Fico contente
    E enquanto estou ausente
    Guarda um cravo pra mim
    Eu queria estar na festa, pá
    Com a tua gente
    E colher pessoalmente
    Uma flor do teu jardim
    Sei que há léguas a nos separar
    Tanto mar, tanto mar
    Sei também que é preciso, pá
    Navegar, navegar
    Lá faz primavera, pá
    Cá estou doente
    Manda urgentemente
    Algum cheirinho de alecrim.

    (Chico Buarque de Hollanda)

    Feliz Dia da Liberdade!
    Feliz 25 de Abril!

    ResponderEliminar
  2. O que uso na lapela do casaco é o mesmo que trago para casa e que depois coloco numa jarra junto de uma foto!

    Abraço ainda de esperança

    ResponderEliminar
  3. Somos todos iguais. Só que uns são mais iguais que os outros... O mesmo para a Liberdade e para tudo o que mexe ao cimo da Terra.

    Mas, 25 de Abril, SEMPRE!

    ResponderEliminar
  4. foi um bom dia da Liberdade, cheio de Sol e de Esperança, Sam.

    ResponderEliminar
  5. a mim também me chega um cravo, Rosa.

    ResponderEliminar
  6. o curioso foi ver nas notícias uma senhora sem cravo a queixar-se dos tais da "meia-dúzia".

    já o grande Zeca dizia: «eles comem tudo e não deixam nada.»

    claro que Liberdade é muito mais que isso, é partilhar os cravos e os sorrisos, Carol.

    ResponderEliminar
  7. A Liberdade é um sentimento colectivo que nos irmana a todos onde não há espaço para sentimentos maninhos.É dividir e unir em torno de um mesmo sentir.

    Bem-hajas!

    Beijinhos

    ResponderEliminar