quinta-feira, março 18, 2010

Os Livros Também Servem para Ajustar Contas

É verdade, os livros também servem para ajustar contas. Contas com o passado, contas com os nossos "inimigos de estimação", contas com as namoradas que não tivemos, etc.

Especialmente a ficção. Quase todas as personagens são criadas à imagem de gente que nos deixa marcas negativas ou positivas, no nosso quotidiano.
Onde também sempre existiram ajustes de contas foi na poesia. Camões e Bocage, por exemplo, eram bons nisso...
Tudo isto para dizer que não me devia admirar de alguns ajustes de contas cobardes que se fazem por aí. E não me admiro. Só não consigo perceber é quando isto acontece entre pessoas próximas, que aparentemente convivem num ambiente de amizade...
Não sei o que é que se passa na cabeça desta gente, capaz de escrever autênticos insultos, disfarçados de poemas, ainda por cima injustos, desonestos e desleais.
Quem me estiver a ler, não percebe nada do que estou para aqui a dizer, por isso é melhor ir mesmo aos pormenores: uma pessoa que se julga poeta, resolveu fazer um pequeno caderno de poemas, onde faz vários ajustes de contas, quase todos cobardes, e pior ainda, falsos.
Num dos poemas consegue ser do mais rasteiro que existe por aí, resolveu chamar "cabrão" (por ser tino/ tem na cabeça/ uns perfeitos adornos/ muito parecidos/ com dois cornos), a uma das pessoas mais cordatas e bem formadas que conheço.
Eu nem sei qual é a palavra que devo usar para qualificar este "ajuste de contas" de um homem notoriamente doente, cobarde e mal formado.
Porque no meu ponto de vista, só uma pessoa doente é capaz de escrever algo que nunca será poesia, inspirado apenas na inveja, no cinismo e no despeito, que lhe devem corroer as entranhas. Provavelmente, por nunca ter sido capaz de ser um ser humano, integro, amigo e honesto como o Grande Senhor da Cultura Almadense que tenta denegrir.
Falo de duas pessoas de Almada...
O óleo é de Pierre Bonard.

11 comentários:

  1. Não conheço nenhum deles, não sei de quem falas. Mas é sem dúvida uma atitude de alguém "rastejante"...
    Quem calunia e mente não presta, Luís.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. “Dos fracos não reza a história”. Eu acrescentaria “e dos cobardes’.

    ResponderEliminar
  3. E isso é poesia, amigo Luís?
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Sabes qual a minha opinião relativamente a este assunto...

    Enfim...
    Beijinho Luís M.

    ResponderEliminar
  5. bem, estou perfeitamente à vontade para dizer que sendo ou não uma troca de "galhardetes" o insulto é sempre um recurso primitivo de quem não tem argumentos.
    e transformá-lo em arte do dizer, é genialidade só de (poucos) alguns.
    o homem é, de facto, uma criatura
    que se auto-destroi.

    _____

    um beijo Luís

    ResponderEliminar
  6. ainda por cima, em algo disfarçado de poema, Maria...

    ResponderEliminar
  7. sem dúvida, Catarina.

    mas eles nunca desistem...

    ResponderEliminar
  8. este mundo já foi mais bonito e poético, M. Maria Maio...

    ResponderEliminar
  9. não é troca de galhardetes, porque o visado, é superior a provocações baixas, Maré.

    mas que é triste, é...

    ResponderEliminar