sábado, abril 16, 2016

Ela é Apenas um Rosto Perdido na Cidade

É um pouco estranho ver alguém que já andou por aí a cantar nos palcos, passar anonimamente junto das pessoas, sem precisar de se esconder atrás de uns óculos escuros. 

Entrámos numa das carruagens do metro e ninguém nos olhou de uma forma insistente ou arrastada. Algo sem preço, pelo menos para alguém que tenha tido a oportunidade de experimentar o pior lado da fama, sem se "viciar"...

A primeira vez que nos encontrámos fui durante uma reportagem jornalística. Embora ela fosse a voz da banda, abriu a boca linda apenas para sorrir e nunca para falar.

Na altura não percebi, mas eram essas as regras, ela fora contratada apenas para cantar e devia limitar-se a fazer só esse papel.

Esta aventura durou menos de meia dúzia de anos. Até acabar o curso e poder dizer até nunca mais, aos rapazes que sempre a trataram de uma forma estranha, provavelmente por gostarem de outros rapazes...

O começo do fim aconteceu durante um concerto em que o líder da banda lhe deu um estalo nos bastidores, por ela insistir em cantar e dançar no palco. Só a tinham contratado para cantar e ela no calor da música esqueceu-se... Hoje sorri, mas na altura não achou piada nenhuma e só voltou ao palco porque o baterista, o único fulano normal da banda a conseguiu acalmar com um abraço e com meia dúzia de palavras, que ainda recorda: «És maravilhosa, anda. Sem ti não somos nada.»

Continua a sorrir quando anda para trás, sabe que foi uma fase, um episódio bom enquanto durou. Felizmente nunca a deixaram ser "vedeta" ou brilhar para lá dos palcos, o único lugar onde recebia o foco principal das luzes. Só desta forma foi possível ser psicóloga, sem passar o tempo a olhar para o passado a pensar que podia ter sido isto ou aquilo.

Embora perceba, até pela sua profissão, a quase multidão de jovens que quererem ser famosos, apenas por causa do tal minuto especial, sente-se feliz por nunca ter sentido isso, para lá do palco. 

Somos todos diferentes e todos iguais. Por ela, aquele vestido amarelo com flores, ficará eternamente na montra...

(Fotografia de Georges Dambier)

6 comentários:

  1. Um texto muito bom, que nos mostra o outro lado do que é a vida nos palcos.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As roseiras também têm espinhos, Elvira...

      Eliminar
  2. Infelizmente, por aí há muitas histórias destas. Quase todos conhecemos um caso ou outro.
    Luís, a 'habilidade', se assim se pode chamar à capacidade de ultrapassar a adversidade, passa muito por conseguir apanhar o bom no mau.
    Gostei especialmente deste post. Palavras e foto a combinar muito bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, Isabel, a melhor ou pior capacidade de adaptação a um "mundo-cão", que muitos pintam cor de rosa.

      Eliminar
  3. ~~~
    Não sendo apreciadora de «Big Bands» - com exceção para a do Bruce Springsteen» - nunca reparei ou ouvi falar destes casos.

    Uma narrativa impecável e eloquente.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há muitos casos desses, em Portugal e no Mundo, Majo.

      Eliminar