quarta-feira, abril 27, 2016

Uma Cidade Para os Outros

Não gosto desta Lisboa que está a perder a autenticidade, da Cidade que se está a virar para fora e a esquecer a sua verdadeira essência bairrista, apenas porque se transformou num óptimo negócio, para alguns, apostados em a espremer até ao tutano.

O mais estranho é que nos acusam de trabalharmos pouco, mas são os outros povos, oriundos de países mais desenvolvidos (os turistas estão longe de ser apenas reformados, pois há entre eles gente de todas as idades...), que passam o tempo a viajar, a conhecer mundo...

Os preços dos bilhetes para os museus aumentaram, penso que os próprios bilhetes de transportares são diferenciados (por enquanto...). A comida nas partes que atraem mais visitantes também deve ter sido inflacionada. 

Nunca tinha visto tantos eléctricos a circularem pelas colinas, com "aluguer" como destino, a par das "motorizadas-táxi" coloridas e voadoras, conduzidas por jovens de ambos os sexos que nos fazem lembrar o oriente,  até pelo seu desembaraço.

Sei que este "filão é esgotável", pelo menos desta forma confusa e atabalhoada, que nos faz lembrar mais o Norte de África e algum Oriente, que a Europa. Mas talvez seja isso que estas pessoas procuram... e como agora não dá muito jeito visitar a Síria, o Egipto, a Líbia ou Tunísia, visitam este Portugal, com exotismos para quase todos os gostos.

A identidade nacional? Está no fado, e não se fala mais nisso...

(Fotografia de Luís Eme)

8 comentários:

  1. Pois é. Nós é que gostamos pouco de trabalhar, mas eles é que passam o tempo a passear.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a velha história, olha para o que eu digo, não olhas para o que eu faço, Elvira.

      Dá jeito às outras europas que continuemos pobres...

      Eliminar
  2. Pode-se perder alguma autenticidade contudo continuo a achar que traz um outro movimento às cidades. Gosto mais do meu Porto assim :) com a vida e a vinda de turistas :)

    Beijinhos Luís

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito, Glória.

      Mas o Porto era uma Cidade mais triste e abandonada (e esquecida pelos poderes) que Lisboa. Não há paralelos...

      Eliminar
  3. concordo com a Vizinha do Quarto :)
    o nosso Porto está garrido, alegre e cosmopolita.
    faz parte da evolução das coisas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom para vocês, "tripeiros", Laura. :)

      Eliminar
  4. (Não ando a conseguir acompanhar 'isto' - comentar temas interessantes de blogues - a tempo e horas!)

    Constato amiúde as alterações que referiste nas duas maiores cidades.
    Luís, e já pensei muitas vezes nas duas faces da moeda da designada reabilitação urbana e abertura ao Turismo, e outras tantas vezes troquei opiniões com amigos.
    Pelo que me apercebo, o Porto está (ainda?) num nível muito equilibrado entre a modernização e a preservação da genuinidade.
    Em Lisboa, também talvez por ser maior, há algumas zonas que parecem estar a ficar descaracterizadas... Será inevitável? É provável que não se consiga controlar esse lado numa medida razoável.
    Julgo que só daqui a meia dúzia de anos podemos perceber melhor o impacto.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poderá ser inevitável, Isabel, até pela "crise" ser continua.

      E este turismo vai dando empregos...

      Eliminar