terça-feira, abril 12, 2016

O "Alentejo Prometido" de Henrique Raposo


Não estava a pensar escrever hoje sobre o livro, "Alentejo Prometido", de Henrique Raposo. Mas como fui tirando várias notas  durante a leitura, acho por bem dar a minha opinião.

É um livro muito bem escrito, que me surpreendeu pela positiva e contraria algumas opiniões negativas que li aqui e ali (provavelmente de quem não leu  o livro...).

Henrique Raposo traçou um "retrato" sobre o Alentejo baseado sobretudo na sua experiência pessoal, com um olhar marcadamente ideológico, de alguém que desde muito cedo foi educado a "diabolizar" o comunismo e a não entender a maneira de ser e de viver do povo alentejano. É o seu livro, é a história da sua família, é a sua visão, que choca por vezes com a realidade.

Onde se nota bem a componente ideológica que o Henrique introduz nesta sua história, é quando compara o Sul com o Norte, na sua religiosidade. Ou seja, coloca frente a frente o peso que a igreja católica tem nas populações nortenhas (gente temerária a Deus e que presta vassalagem aos padres das suas paróquias...) e a liberdade religiosa de um povo pouco crente, cuja vida difícil  o ensinou a depender sobretudo dele próprio. Embora utilize vários argumentos para explicar a taxa de suicídios dos alentejanos, fixa-se sobretudo na ausência da presença de Deus nas suas vidas, como responsável pelo forma como enfrentam as adversidades de ânimo leve.

Há muitas outras características que o autor atribui aos alentejanos, que facilmente poderão ser transportadas para os povos das Beiras, de Trás-os-Montes e até da Estremadura. A violência do século XIX, com a existência de bandos armados, por exemplo, verificava-se um pouco por todo o país. Com a discriminação da mulher passa-se a mesma coisa. Aliás, há muitos mais casos de violência doméstica no Norte que no Sul...

É provável que sejam mais desconfiados que outras gentes, de regiões que não sentiram tanto na pele a fome, a miséria, a injustiça e a perseguição política da PIDE e da GNR.

Mas isso está longe de explicar tudo. Por outras palavras, há claramente falta de rigor histórico por parte de Henrique Raposo. Penso que ele será sempre um melhor ficcionista que historiador.

Quando ele já na parte final (p.98) diz: «Sinto-me mais em casa em Arouca do que em Santiago. Sou filho de uma migração que saiu do Alentejo mas não sou nem quero ser alentejano», explica quase tudo sobre este olhar peculiar sobre o Alentejo. Que é apenas e só o olhar de Henrique Raposo.

Comigo passou-se o contrário, quando vim morar para Almada, que é em parte o começo do Alentejo, senti-me muito bem ao lado de todos aqueles que me receberam de braços abertos e que gostam de ser  quem são, ao mesmo tempo que se sentem orgulhosos da sua história, mesmo que esta não tenha como personagens "príncipes e princesas"...

8 comentários:

  1. Achou por bem dar a sua opinião e fez muito bem, digo eu! Tenho grande curiosidade por este livro, devido à polémica que criou. Mas, pelo que tenho lido aqui e ali, de pessoas que o leem sem preconceitos (como o Luís), o problema estará no facto de ser muito subjetivo. Como diz: «É o seu livro, é a história da sua família, é a sua visão», o que o torna redutor, por um lado, mas não deixa de ser peculiar e interessante, por outro. Uma versão pessoal, mas honesta (apesar de redutora) vale sempre a pena.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um bom livro, Cristina.

      Claro que é passível de várias interpretações, mas não o achei ofensivo, nem mesmo para os alentejanos.

      Eliminar
  2. Luís, ontem quando vi a foto do post estive quase para não ler porque, como te disse, tenho agendada a leitura do livro e receei que as palavras me demovessem.
    Pelo contrário, agora é que estou mesmo com vontade de ler. Sobretudo pelos dois últimos parágrafos. É que também eu passei por uma experiência semelhante no que a mudanças de área de residência diz respeito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena ler, Isabel.

      Quem o lê experimenta sensações diferentes, consoante o seu posicionamento ideológico. Uma pessoa de direita não "lê" a mesma coisa que uma de esquerda.

      Eliminar
  3. Conheço muito pouco o Alentejo, nasci aqui, e a minha família, materna ou paterna são do norte. Ainda assim depois de adulta poderia ter viajado pelo Alentejo, mas assim não é. Conheço mais ou menos bem, o Minho o Douro, e as Beiras. Estremadura e Algarve. A ideia que tenho do Alentejo, é a que me passa das viagens para o Algarve, de carro ou de comboio. Solidão, isolamento.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Além da solidão e do isolamento, há vida no Alentejo, Elvira.

      Eliminar
  4. Já li e achei muito interessante.
    descobri um erro na página 64 que penso nem o autor o detectou nem os revisores.
    está escrito conselho de Sines quando devia ser concelho.
    beijo
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não existem livros sem gralhas, Piedade. :)

      Eliminar