sábado, abril 23, 2016

Abraçar os Livros


Ontem, quase no final da minha intervenção, a professora de Português daqueles jovens, perguntou-me como é que ela poderia fazer com que eles lessem.

Voltei atrás na conversa (ela esteve a dar uma aula só apareceu depois...), ao meu sétimo ano de escolaridade, à minha excelente professora de Português e à "Biblioteca de Turma" que criámos ao longo do ano, em que nos quotizávamos e comprávamos os livros que queríamos ler (com algumas sugestões da professora...) e depois falávamos sobre eles (não sei se de quinze em quinze dias se mensalmente, havia uma aula só para a nossa "biblioteca" e os "nossos livros"), sobre o que tínhamos gostado mais, das personagens, dos lugares, estimulando o interesse dos que ainda não os tinham lido.

E claro, aconselhei a professora a sugerir livros bons (mas também de boa "digestão"...), com uma linguagem acessível, boas histórias e muita acção... Falei também do realismo mágico da "latina-américa", de Jorge Amado, de Ernest Hemingway, Luís Sepúveda ou até do nosso Camilo. Desaconselhei por completo José Saramago ou António Lobo Antunes...

Mas o importante é ler, ler, viajar dentro dos livros.

(Óleo de Gustave Caillebotte)

12 comentários:

  1. Os de Saramago e Antunes apenas ajudariam a limitar o pouco entusiasmo que esses jovens possam sentir pela leitura (apesar de não saber qual a sua faixa etária)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, são livros difíceis, Catarina, nunca para iniciados.:)

      Eliminar
  2. Ai, lá isso é! Mas olhe que os livros indicados pelo programa para os alunos do 10º ano são bem tolos...

    Boas leituras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca foram os melhores para o estimulo da leitura, Graça.

      Exige-se aos professores bom gosto e bom senso.

      Eliminar
  3. O hábito de ler tem caído a pique nestes tempos. Muito interessante saber como faziam vocês com a "Biblioteca da Turma"...
    Um abraço, Luís.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bons tempos, Graça.

      Mas aquela minha querida professora de Português foi uma raridade...

      Eliminar
  4. nunca tive uma "biblioteca de escola", Luís, e é de facto tão importante.
    estou a estudar uma cadeira de mestrado "estudo e formação de leitores" que já me mostrou e ensinou coisas tão interessantes sobre os livros. detalhes que muitas crianças gostariam e deveriam saber para aprender a amar a literatura.
    em contrapartida tive uma biblioteca, em casa dos meus pais, que era de sonho e essa sim, ensinou-me a amar os livros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizarda.:)

      A biblioteca de casa foi feita sobretudo por mim e pelo meu irmão, Laura.

      Eliminar
  5. Incentivar a leitura, e o amor pelos livros, devia começar com os pais e desde a mais tenra idade. Nunca li nada de Lobo Antunes a não ser as crónicas e delas eu gosto. Saramago? pois li pouco e do que mais gosto são os poemas.
    Abraço e bom feriado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As crónicas não têm nada que ver com os romances de Lobo Antunes, Elvira.

      São muito mais "normalizadas". :)

      Eliminar
    2. Mas atenção, SARAMAGO é um escritor fantástico. Estou, no entanto, de acordo com este não aconselhamento do Luís.

      Saramago não é efectivamente um escritor fácil mas, tal como dizia Vergílio Ferreira, os grandes livros são aqueles que nos obrigam a pensar, e de Saramago aprende-se a gostar tal como se aprende a gostar de música; a boa literatura é arte.

      Lobo Antunes não entendo, não percebo; curiosamente gostei dos três primeiros livros dele (CONHECIMENTO DO INFERNO, MEMÓRIA DE ELEFANTE e CUS DE JUDAS), mas depois disso deixei de o entender (salvo as crónicas que são óptimas).

      Eliminar
  6. Luís. há uns tempos deu-me para escrever sobre este meu gosto pela leitura de livros e saiu o que vai ali para baixo.
    E com isto, destaco e homenageio o papel que a itinerância da Gulbenkian teve para muitas crianças e jovens que, tal como eu, tinham poucas possibilidades de aceder a livros por outras vias.

    ___________________________________

    A rapariga que gosta de livros


    Com alguma frequência leio e oiço relatos de estratégias usadas para motivar para a leitura de livros, sobretudo princípios direccionados para os grupos etários mais jovens.
    Mais do que pensar nas formas que melhor servirão para atingir o objectivo, mergulho deliciosamente no meu universo infantil.

    Desde que aprendi a ler, subiu-me a vontade de comer palavras amarradas em livros. Uma vontade para a qual ainda hoje não tenho uma explicação, já que no ambiente familiar e no grupo de amigos não havia o hábito de ler com regularidade.
    Apesar de não ter uma explicação, sei que houve uma circunstância que serviu para alimentar esse gosto e provavelmente teve uma expressão significativa ao nível da consolidação do meu hábito de leitura. Refiro-me às bibliotecas itinerantes da Gulbenkian, que, à época, em muitas pequenas localidades do interior, como era a vila onde vivia, funcionavam como o único meio de acesso a livros.

    Este serviço foi criado pela Fundação Calouste Gulbenkian em 1958, de acordo com sugestão de Branquinho da Fonseca, e almejava abranger todo o território nacional. Começou com quinze carrinhas cinzentas, da marca Citroën, e teve uma grande expansão logo no início. Por exemplo, em 1961 já havia quarenta e sete veículos a circular, com o serviço gratuito de empréstimo domiciliário de livros. Estas bibliotecas itinerantes funcionaram até 19 de Dezembro de 2002.

    A carrinha ia duas vezes por mês à minha terra e ficava estacionada no largo principal cerca de duas horas. Nós, os miúdos inscritos, esperávamos com ansiedade pela nossa vez. Um cartão pequenino numa bolsinha de plástico era o nosso passaporte para o mundo dos livros.
    A certa altura comecei a notar que o limite de livros estipulado para o empréstimo domiciliário era escasso para as minhas necessidades. Então, o conservador-bibliotecário - era assim que se designava o "dono" da nossa carrinha - disse-me que como era assídua e não estragava o material, deixava requisitar mais dois livros por quinzena e eu fiquei muito contente. Assim, tinha sempre livros para ler!

    Também nessa época, o que pedia pelo Natal e aniversário era livros. Os da "Anita" deslumbravam-me e ficava furiosa quando teimavam em substitui-los por pijamas e meias.

    E há um episódio engraçado com livros. Ou melhor: com um livro proibido.
    Um dia, em casa, numa gaveta da cristaleira, descobri um livro branco com letras azuis e vermelhas, cuja conjugação resultava em "Método de Ogino-Knaus".
    Bom, na minha cabeça de criança funcionou assim: se este livro está separado dos outros, num sítio invulgar e de raro acesso é porque tem alguma coisa de especial. "Será melhor lê-lo", pensei. Sim, nas tardes que passava sozinha dei conta dele. Claro que os meus oito anos, e numa época em que havia menos informação, não permitiram entender nada. Mas aquelas figuras com as trompas de Falópio ainda hoje são desenhos deslumbrantes que habitam a minha memória visual. É que nem sequer imaginava que tinha trompas na barriga! E isto soa-me - sim, soa-me - a muito giro porque a trompa é o instrumento de sopro cujo timbre mais se assemelha à voz humana.
    Da primeira vez que o ginecologista me deu uma explicação muito pormenorizada, com o auxílio de uns rabiscos no bloco das receitas, ri-me. "Percebeu o que lhe disse?", perguntou. Disse-lhe que agora sim, que estava perfeito e que sentia as minhas trompas devidamente encaixadas!"

    ResponderEliminar