quarta-feira, outubro 23, 2013

A Autobiografia de Sir Alex


Nos últimos dias têm sido revelados na imprensa (e até televisão inglesa...) pequenos episódios que fazem parte da obra, "Alex Ferguson - My Autobiography".

Isso faz com que este livro, apresentado amanhã ao público, tenha todos os condimentos para ser um dos grandes êxitos literários no Reino Unido (e não só...) neste último trimestre de 2013.

É muito importante que aquele que é considerado o melhor treinador do mundo, que esteve vinte sete anos no comando do Manchester United, com um sucesso inagualável na melhor e a mais equilibrada liga de futebol do mundo (são sempre vários os candidatos à vitória final e nunca apenas um ou dois, como acontece na maior parte dos restantes campeonatos...), nos conte o que realmente aconteceu, a sua versão de vários acontecimentos polémicos, que normalmente são distorcidos pela comunicação social (que muitas vezes nos conta a versão mais conveniente para a "guerra" da venda de jornais...).

Pelo que tem sido transcrito, há vários jogadores que já devem estar as "orelhas a arder" (com Keane e Beckham na frente...), e outros agradecidos pelos elogios  (Cristiano Ronaldo, Giggs ou Scholes).

Em relação a Cristiano, Sir Alex diz o seguinte: «Cristiano foi o jogador mais talentoso que treinei. Ultrapassou todos os outros grandes jogadores que orientei no United e foram muitos.»

Apesar de ser conhecido pelo seu mau feitio e pelo autoritarismo, tem uma frase que é tantas vezes esquecida pelos clubes: «Nenhum jogador é maior que o Clube». Penso que em Portugal só o FCPorto é que segue esta frase à risca e é aí que começa toda a diferença...

Uma obra que fará ainda mais furor, daqui a uns vinte anos, será certamente a autobiografia de José Mourinho, até por ele ser muito mais atractivo para os "media" que Sir Alex, pelas polémicas que gosta de provocar, dentro e fora dos relvados... 

2 comentários:

  1. o mundo do futebol...e dos ídolos.

    :)

    ResponderEliminar
  2. sim, um mundo que conheço desde pequenote e que apesar das "batotas", continuo a gostar, Piedade.

    ResponderEliminar