sábado, maio 01, 2010

Maio Vermelho

Contra tudo o que era velho
levantado como um punho
em Maio surgiu vermelho
o cravo do mês de Junho


José Carlos Ary dos Santos, in "As Portas que Abril Abriu", ilustrado por António Pimentel.

15 comentários:

  1. O Zé Carlos era, é, muito especial.
    Bom 1º de Maio, Luís!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Quando se menciona Ary dos Santos, associo-o sempre a S.A.R.L.

    ResponderEliminar
  3. Maio maduro Maio
    Quem te pintou
    Quem te quebrou o encanto
    Nunca te amou
    Raiava o Sol já no Sul
    E uma falua vinha
    Lá de Istambul
    Sempre depois da sesta
    Chamando as flores
    Era o dia da festa
    Maio de amores
    Era o dia de cantar
    E uma falua andava
    Ao longe a varar
    Maio com meu amigo
    Quem dera já
    Sempre depois do trigo
    Se cantará
    Qu'importa a fúria do mar
    Que a voz não te esmoreça
    Vamos lutar
    Numa rua comprida
    El-rei pastor
    Vende o soro da vida
    Que mata a dor
    Venham ver, Maio nasceu
    Que a voz não te esmoreça
    A turba rompeu



    sempre bom lembrar o grande zeca :)



    ps: conheces a versão da teresa salgueiro?

    ResponderEliminar
  4. um poeta grande em tamanho e talento, Maria...

    ResponderEliminar
  5. não percebi essa, Catarina...

    ResponderEliminar
  6. sempre bom o Zeca, Ivone.

    gosto muito das versões das canções dele, só o valorizam.

    ResponderEliminar
  7. Ary dos Santos compôs a canção/balada “S.A.R.L.”, considerada revolucionária na altura (antes do 25 de Abril) . E nunca mais esqueci. : )

    ResponderEliminar
  8. como sou ignorante!

    obrigado pela dica, Catarina.

    ResponderEliminar
  9. Luís.. Claro que não é ignorante! Essa balada, que eu saiba, nunca mais se ouviu e o Luís é muito jovem!

    ResponderEliminar
  10. sim, muito jovem de espírito, Catarina...

    ResponderEliminar
  11. Fui dar uma olhadela no seu perfil, Luís. Jovem biologicamente também! : ) E acho melhor que todos considerem essa idade ainda jovem!!!!! E os cinquenta e os cinquenta e tais...

    ResponderEliminar
  12. um rubro que se quer sempre renovado e presente.

    os GRANDES poetas devem estar sempre entre nós

    ____

    ResponderEliminar