quinta-feira, abril 01, 2010

Um Cão em Cada Dedo

A Alice começa assim:
«trinta anos depois, o meu nome é ainda uma palavra com um rosto em definição [...]», e acaba: «a idade foi sempre ingrata. trinta anos depois, ainda não sei quem sou.»
Penso que as suas palavras reflectem o sentimento de uma geração, para quem este país tem tido um comportamento vergonhoso. Têm cursos, não têm trabalho, têm sonhos, não têm espaço para sonharem...
Talvez seja por isso que ela diz, mais à frente:
com um cão em cada dedo
as minhas mãos continuam à espera
de um poema que me leve daqui
[...]
gostava de me transformar numa palavra
não importa a ferida que possa causar
quando acontece um rosto por acaso
[...]
e também diz, noutro poema:
o meu medo é o deserto ser um livro,
o mundo todo ou só a minha casa ser um livro,
e eu ser um objecto imundo,
um adereço provisório do autor.
(que acaba assim:)
o meu medo é ter de ladrar para estar vivo.
Que dizer de uma poeta, que se exprime com esta Liberdade, com esta Coragem, sem ter medo de usar as Palavras Todas?

13 comentários:

  1. Gosto da escrita da Alice. Não a conheço, não sei a idade dela. Será necessariamente mais nova do que eu.
    Serão as suas palavras algumas das preocupações da geração mais jovem...
    Estou curiosa para ler o livro.

    Beijinho, Luís.

    ResponderEliminar
  2. A Alice é já uma excelente escritora. É uma jovem linda e discreta. Tive o prazer de a conhecer o mês passado. Já tenho o livro e estou ansiosa por lê-lo.
    Um abraço, Luís e uma Páscoa com Amor.

    ResponderEliminar
  3. eu tenho de dizer obrigada! mais uma vez e sempre, luís. fico sem palavras com estes teus gestos... um grande beijinho. bem hajas!

    ResponderEliminar
  4. Uau! A Alice é essa Alice aí de cima?
    Poxa, gostei, quero ler!

    ResponderEliminar
  5. também já o li, querido Luís.
    de um fôlego só.
    a subscrever por inteiro o que dizes da Alice, acrescento ainda, que é uma simpatia de menina.

    e eu, uma cachopa privilegiada por conhecer uma grande POETA
    beijos, Luís

    ResponderEliminar
  6. também não a conheço, pessoalmente, Maria, mas adianto-te que é da colheira de 78...

    e gosto muito das suas palavras...

    ResponderEliminar
  7. é, Graça.

    muito talento poético.

    ResponderEliminar
  8. sem palavras é que não podes ficar, Alice...

    e nós?

    ResponderEliminar
  9. que dizer?
    apenas isto

    obrigada ,POETA!




    .
    um beijo

    ResponderEliminar
  10. sem qualquer dúvida, Gabriela.

    ResponderEliminar