sábado, abril 01, 2017

As Primeiras Impressões...


Às vezes fazemos perguntas que sabemos que não irão ter resposta, porque há sempre razões que a razão desconhece...

Na sexta a Rita estava irritada porque tinha tido uma manhã daquelas. Foi por isso que me perguntou porque razão gostávamos de algumas pessoas mal as conhecíamos, e outras, nunca lhe dávamos sequer espaço para uma conversa, quanto mais oportunidade para algum dia sermos amigos.

Pois é, não se explica mesmo (pelo menos de uma forma racional) a empatia que sentimos por algumas pessoas, ou o contrário, com outras...

(Óleo de Nikolai Chernyshev)

10 comentários:

  1. Eu sou muito assim. Há pessoas com quem sinto uma empatia imediata, e outras que me dão vontade de fugir assim que as vejo.
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos devemos ser assim, Elvira. :)

      Eliminar
  2. É porque não há explicação mesmo.
    Um abraço, Luís.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não, Graça, pelo menos conhecida. :)

      Eliminar
  3. Luís, nós não temos de gostar de todas as pessoas nem de investir no sentido de gostar de toda a gente, daí que a primeira impressão sirva como selecção natural.
    Não sou muito permeável à primeira impressão, nem para um lado nem para o outro. Se calha em voltar a contactar ou a ver, vou aferindo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu normalmente evito fazer juízos de valor sem conhecer as pessoas, Isabel.

      Mas sinto que a empatia é outra coisa. É sentirmos logo afinidades. O que não deixa de ser estranho.

      Eliminar
  4. Eu confio inteira e imediatamente nas pessoas...mas têem sido tantas, tantas as desilusões...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não, Severino.

      Embora seja capaz de ajudar quem quer que seja que precise de ajuda. Mas isso é diferente de confiar.:)

      Eliminar
  5. Obviamente que vou aprendendo (mas -o confiar- está no ADN).

    ResponderEliminar