sexta-feira, julho 08, 2016

Mitologia Literária Deitada Fora

Noto que cada vez há menos espaço para a mitologia na rua dos livros.

Não sei quem foi a primeira escritora realmente bonita que deitou por terra a "estória" de que todas as mulheres que escreviam eram feias. Mas que foi convincente, foi.

Também não sei quem foi o escritor de sucesso que teve a coragem de dizer que bebia leite frio pela noite dentro, enquanto ia conversando com as suas personagens. Mas sou capaz de imaginar a cara de caso de todos aqueles que preferiam álcool de cor forte, capaz de bailar com as nuvens de fumo provocadas pela planta do tabaco ou por qualquer erva aromática das arábias. Ou ainda aqueles que precisavam de comprimidos milagrosos.

Achavam inacreditável que um "copo de leite" pudesse escrever alguma vez uma história mirabolante, capaz de prender o leitor da primeira à última página.

Eu limito-me a sorrir, já que normalmente não bebo leite enquanto escrevo, muito menos me agarro ao álcool. E ainda por cima conheço uma ou duas escritoras giras.

Só posso dizer: «Que bom que é, as coisas serem diferentes do que alguém disse serem antes.»

Imagino a quantidade de mulheres bonitas que durante anos e anos, escondiam as coisas que escreviam, só por causa de uma "patranha"...

(Fotografia de Pierluigi Praturton)

5 comentários:

  1. Podes dizer um poema sobre mitologia. Ou mulheres feias, ou escritores malditos... Não sou esquisita. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poder posso, mas não me apetece, Carla. :)

      Eliminar
    2. Já percebi, Luís. :)

      Eliminar
  2. Luís, não sabia daquela cena das mulheres feias e a escrita... Alto lá, não me parece bem. :))

    E estou farta de pensar num poema que fala das mulheres feias, no sentido de que não existem(!) e de outro que diz que as mulheres têm sempre de ter algo que chora, algo que grita... Não estou a conseguir encontrar... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre houve esse preconceito, Isabel.

      Era uma bocado como as boas alunas ("marronas") serem "caixas de óculos" e "gordas", que namoravam com os livros.

      Parvoices que ditas muitas vezes há quem as tome por verdades.

      Eliminar