quarta-feira, fevereiro 03, 2016

Mais Reflexões Literárias...

De todos os livros que escrevi sobre a história local almadense, há dois que me merecem um destaque especial, pelo simples facto de terem sido escolhidos e idealizados apenas por mim.
Eu escrevi assim (para logo...):

«De todos os livros que escrevi sobre Almada, há dois que escrevi mesmo por vontade própria. O primeiro foi, “Almada e a Resistência Antifascista”, em que fiz 25 biografias de pessoas que se destacaram na luta contra o salazarismo e também relatei 25 acontecimentos importantes sobre a então Vila de Almada. E depois também fiz aquela que ainda deve ser a mais completa cronologia sobre os acontecimentos sócio culturais e políticos de Almada, entre 1926 e 1974.
A minha vontade de escrever este livro ficou a dever-se à comemoração dos 25 anos da Revolução de Abril e à minha vontade de homenagear os resistentes almadenses, a gente conhecida e anónima que teve a coragem de se sacrificar por um tempo novo, com mais liberdade e justiça social.


O outro livro que também quis escrever foi, “Francisco Bastos, António Calado e a JACA”, com o objectivo de devolver estes campeões à história de Almada, até por serem os grandes desportistas almadenses do século XX, por excelência. Francisco Bastos e António Calado foram campeões e recordistas nacionais de atletismo, de meio fundo. Bastos foi inclusive recordista ibérico de 800 metros e foi quase o Fernando Mamede do seu tempo, sendo imbatível nas provas de pista dos 400 aos 3000 metros durante quase uma década.

Esta ideia começou a ganhar força depois de uma exposição que foi feita sobre Associativismo no Museu da Cidade, em que os Campeões da JACA foram completamente esquecidos.»

Sem comentários:

Publicar um comentário