terça-feira, março 24, 2015

Herberto Helder (1930 - 2015)


Herberto,

Tu
pássaro livre,
homem sem amarras
que espreitas para lá
das colinas da cidade
e navegas na tua barca
Ao redor das ilhas secretas...

Luís Milheiro

(poema escrito há mais de onze anos e que fez parte de um pequeno caderno de poemas da colecção "Index Poesis", de homenagem a doze poetas que gosto, publicado em 2004...)

12 comentários:

  1. Ficamos todos mais pobres...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. não creio, Miss Smile.

      a sua poesia está mais viva que nunca.

      Eliminar
  2. E a cultura vai empobrecendo.
    Paz à sua alma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. penso que neste caso, ele vai ser visto com outros olhos, Elvira.

      a poesia fala mais alto.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. hoje estou do contra, Laura.

      penso que não se perdeu nada, ele e a sua poesia ficaram mais perto do Olimpo.

      Eliminar
  4. Bonito!
    Fica a sua bela poesia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, Rita.

      um teu grande conterrâneo, avesso a homenagens.

      vai as ter póstumas...

      Eliminar
  5. Um poema muito belo, Luís. Herberto Helder faz falta à poesia.
    ~Um abraço, amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ele está mais vivo que nunca, Graça.

      Eliminar
  6. um Poeta maior
    mas que deixou a sua marca
    para gerações vindouras
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. que ficará por muito tempo, Piedade.

      Eliminar