segunda-feira, maio 07, 2018

As Oportunidades Perdidas (dentro da estranheza humana)...


O tempo faz com que deixemos de falar a algumas pessoas, sem que encontremos uma explicação plausível para o facto. No meu caso pessoal noto que isso acontece sobretudo com pessoas com quem estudei. Há uma primeira vez, que começa quase sempre com um fingir que não se vê... E depois acaba-se o simples olá, o bom dia ou o boa tarde...

Pensei nisso quando o meu irmão me contou um episódio, que pensa ter-se passado  com o seu companheiro da primária mais "estrangeirado", filho de pai alemão e de mãe francesa, que foi agarrado na adolescência pelo "mundo psicadélico", do qual penso nunca mais  ter saído... 

Depois de o ter perdido de vista durante anos e anos (correu na nossa cidade o boato que tinha morrido novo...), descobriu um rosto que lhe pareceu familiar, numa das ruas de Lisboa. No regresso a casa, pensou na forte possibilidade de ser ele, pelo seu olhar e também pelo aspecto desleixado. 

Algum tempo depois cruzou-se nas Caldas com a mesma pessoa, mas ia de carro e não aproveitou a oportunidade para estacionar e para trocar algumas palavras e ficar a saber se era mesmo Ele... E agora já não é possível. Um amigo comum anunciou o seu desaparecimento via facebook.

Ouvia-o e lembrei-me de uma colega de escola, que trabalha numa farmácia, e que agora, graças ao moderno uso de senhas, não temos a oportunidade de fugir um do outro, pelo menos dentro da loja (das duas últimas vezes que por lá passei fui atendido por ela...). 

Como acontece em muitos casos, deixou-me de falar sem que tivesse existido qualquer zanga ou mal entendido, apenas por que sim. No início estranha-se, depois entranha-se. 

Mas não deixa de ser uma coisa quase literária, estarmos ali, frente a frente, falarmos informalmente, como se nunca tivéssemos trocado, no mínimo, palavras e sorrisos malandros no intervalo das aulas...

(Fotografia de Luís Eme)

9 comentários:

  1. Luís, nunca fiz isso nem tenciono fazer. Isto porque entendo que a salvação/cumprimento não se nega a ninguém. Até pode não haver assunto para tratar com aquela pessoa porque nem toda a gente serve para 'discutir' assuntos e trocar opiniões, etc., mas entendo dever cumprimentar-se.
    Já aconteceu deixarem de me falar. Depois disso, nas primeiras vezes que me cruzo com a pessoa, cumprimento na mesma e se vir que me volta a cara, suspendo. Já aconteceu passado um tempo arrepiarem caminho e pedirem desculpa, etc. Aceito, mas sei que se instalou distanciamento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há muito tempo que evito usar a palavra "nunca", Isabel.

      Normalmente não sou eu que deixo de falar às pessoas, mas percebo que é difícil falar com alguém que não se vê há vinte e mais anos, se não existir mesmo uma relação forte de amizade.

      (há amigos de infância que podemos estar quase quarenta anos sem falar e é sempre uma festa quando nos encontramos, mas estes são pessoas especiais... de vez enquanto acontece-me e é bom)

      Noto que as mulheres são mais "estranhas" nestes casos, principalmente se forem casadas. É mais fácil fingirem que não nos conhecem... coisas desta sociedade "masculina". Há mesmo quem me cumprimente se for sozinha e baixe a cabeça se for com o companheiro...

      Mas não é nada de preocupante, até dá para escrever uma posta, com a minha "amiga" da farmácia. :)

      Eliminar
    2. (Sim, também evito dizer nunca no que se refere a intenção, ao futuro.
      Aqui o meu "nunca" é passado: "nunca fiz isso".)

      Eliminar
  2. A mim já me aconteceu imensas vezes esse comportamento de me falarem como se nunca me tivessem conhecido. Já nem me importo...
    Uma boa semana, Luís.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vale a pena mesmo fazer disso um drama, Graça.

      Eliminar
  3. Bom eu sou muito despistada, e muitas vezes não reparo nas pessoas. Mas quando vejo, falo.
    Abraço e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é outra coisa, Elvira. É não ver, não é fingir. :)

      Eliminar
  4. Pois, também me acontece o mesmo, e depois fico sempre sem reacção.
    A foto está excelente.
    bom fim de semana.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos um bocado estranhos, Piedade. :)

      Eliminar