sexta-feira, setembro 18, 2015

Há Dias que Não São Dias (São Mais Pesadelos...)


Há muito que não tinha um dia como o de ontem, que só melhorou quando o sol se começou a ir embora.

Começou a meio da manhã numa reunião em que alguém "roeu a corda" e deixou-me com um dilema que tenho de resolver até segunda. E que provavelmente vai ser resolvido com a desistência, algo que não costuma fazer parte do meu léxico, mas como se trata de um projecto colectivo, é essa a vontade da maior parte das pessoas (apesar de já existir algum investimento pessoal). O mais curioso foi a mudança se ter dado em menos de 24 horas. Antes de ontem aparentemente estava tudo bem e ontem, «não dá, não há tempo, não tenho gente disponível», entre mais desculpas cheias de farrapos.

A única certeza que tenho é que não voltarei a trabalhar com a dita pessoa, no que quer que seja.

Ao final da manhã passei por uma bilheteira para tirar o passe da minha filha do metro de Almada (que têm 25% de desconto no regresso às aulas...). Mostrei o passe e o cartão de cidadão mas disseram-me que era preciso uma fotocópia do cartão de cidadão e um comprovativo da morada. Quando lá voltei com os papeis pedidos a jovem do guichet disse-me que também era preciso uma declaração da escola onde ela andava. Perguntei-lhe porque não disse isso da primeira vez, ainda tentou dizer que me tinha dito, quase a engasgar-se, para depois dizer que se devia ter esquecido...

Mas ainda havia mais aventuras à minha espera. Fui à escola onde ela está matriculada e disseram-me que a declaração só podia ser passada na sede do agrupamento. Mais uma volta ao carrossel e, reparem só, a secretaria da dita escola estava fechada durante a tarde, só abria de manhã no dia seguinte.

Claro que depois de toda esta confusão borrifei-me para a "oferta" dos 25% e comprei o passe ao preço normal.

Há muito tempo que não me lembrava de ter tido um dia assim.  Talvez sejam as "dores" de se ser português. E como eu fujo como o "diabo da cruz" de lugares como finanças, segurança social, centros de saúde ou centros de emprego, sou um pouco "estrangeiro".

O óleo é de Ray Hare.

6 comentários:

  1. è isso mesmo que se pretende: dificultar as coisas para as pessoas desistirem e pagarem, pagarem, pagarem... Que raço de país este!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma mentalidade tão rasteira, Graça.

      Dizer-se que as pessoas t~em direito a isto e depois criarem-lhe todo o género de dificuldades.

      É nestes aspectos que não sou daqui. Vim cá parar...

      Eliminar
  2. Eles acabam por vencer pelo cansaço. Ando às voltas com um problema da Meo há dias. Todos os meses pago a factura que vem sempre para o dia 1, no dia imediatamente anterior, ou seja a 30 ou 31. O mês passado ao receber a factura verifiquei que me vinha debitado 5 € de um serviço que não tenho. Telefono para o 1696, e depois de um bom tempo de espera enquanto a menina verificava o que se passava, foi-me dito que tinha sido engano, que já tinha feito o crédito dos 5 € e portanto deveria pagar só o valor do costume, coisa que fiz no dia 31 de Agosto. A meio deste mês comecei a receber mensagens, primeiro escritas, depois de voz. avisando que tinha uma factura em atraso, que ia ser penalizada com 3€ de multa e que se não pagasse no prazo de 8 dias, me cortavam o serviço.
    Telefono para o 1696, e depois de outra longa espera, a menina, diz-me que eu tenho em divida o mês de Agosto, no valor de 14.97€ e que eu paguei 14.98€ (valor do pacote contratado) mas que foi o mês de Setembro. Ora o mês de Setembro estava a meio, como era possível ter pago o de Setembro e ficar em falta Agosto? -Perguntei perplexa.
    Simples, -responde ela, a colega ao fazer o débito debitou 5.01€, pelo que eu teria de ter pago 14.97€ Como paguei mais um cêntimo o valor passou para a factura seguinte e mantém-se em falta a anterior.
    Então e que culpa tenho eu disso, para ser penalizada com 3 € de multa e ameaçarem cortar-me o serviço? pergunto já com vontade de ser malcriada.

    Pois não tem culpa, mas eu também não, é o sistema. Aguarde um bocadinho que eu vou fazer o crédito e pôr uma nota aqui, para não voltarem a incomodá-la.
    Bom depois desta conversa, já recebi mais não sei quantas mensagens, e ainda hoje me desloquei à loja deles no forúm do Barreiro. Hoje a empregada disse que enviou um pedido para a facturação a pedir para não voltarem a ameaçar o corte do serviço. Eu si que se pagar os malfadados 14.97€ param as mensagens. Mas entendo que não o devo fazer antes do dia 30 de Setembro. Por uma questão de princípio.
    Enfim coisas deste nosso país.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Elvira, pelo cansaço e pela mentira.

      Muitas vezes a indignação é tanta que já nem os queremos ouvir (o que eles querem muitas vezes...)

      Eliminar
  3. Também já tive dias assim.
    Esperemos que nos próximos tempos fiquem bem longe.
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, Gábi, isso é o mais importante.:)

      Eliminar