terça-feira, março 21, 2017

A Poesia num Mundo Pouco Poético...


Hoje festeja-se a poesia, a natureza, dentro da estação com mais cores do mundo.

Mesmo assim, ao folhear o quase livro onde guardo "quase todos os meus poemas", parei  no "Palhaço sem Circo", porque a realidade amarga muito mais do que parece...

Palhaço sem Circo
  
Ninguém acreditava
Que o circo tivesse voado com o vento
E que ao palhaço pobre,
Velho, cansado e sem companhia,
só lhe restasse a rua
Para vaguear e sonhar
Com a cumplicidade
E os aplausos da lua...

Assim que começava a anoitecer
Vestia a roupa gasta e colorida,
Pintava-se ao espelho do seu quarto
E depois partia de viagem
Sem destino e sem palco.

Quem parava para ver o espectáculo
Ficava quase sempre encantado
Com a magia com que pintava a avenida
Despertando pombos e vagabundos
Com a sua graça e fantasia.
  
As pessoas que passavam na rua
Voltavam a sorrir por momentos
Enquanto fazia vénias aos candeeiros,
Que iluminavam o palco da sua vida,
Pulava bancos de jardim e cantava
Extasiado com os aplausos da lua...

Ninguém acreditava
Que o circo tivesse voado com o vento
E que ao palhaço pobre,
só lhe restasse a rua
E os aplausos da lua...


(poema de Luís Alves Milheiro, óleo de Luís de Souza) 

4 comentários:

  1. Excelente Luís.
    Obrigado pela partilha.
    Um abraço e por favor, não deixe que poemas como este, adormeçam numa gaveta.

    ResponderEliminar
  2. Luís
    que poema tão belo!
    já li e reli, e gostei muito.
    beijinho
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu gostei que gostasses, Piedade. :)

      Eliminar