quarta-feira, dezembro 16, 2015

Sempre a Justiça na Corda Bamba


Embora seja uma evidência diária, esta semana ainda nos saltou mais à vista a influência que a política e o futebol têm no comportamento das pessoas, aliada a um terceiro elemento (infelizmente comum aos dois...), a prática da justiça, que é sempre olhada de forma polémica, pelos muitos exemplos negativos que transporta no nosso dia a dia.

A entrevista de José Sócrates à TVI foi arrasadora, a todos os níveis, tanto para a justiça como para o jornalismo. Mesmo que ele seja culpado e mentiroso, continuam a ser desconhecidas provas convincentes contra a sua pessoa e a somarem-se incongruências na investigação e no procedimento do juiz em todo este processo. 

Mas o grave da questão é percebermos que há um tratamento desigual, mesmo entre a chamada "nata da sociedade". Exemplos? Continuam a não existir culpados nos casos mais ruinosos do nosso tempo, BPN e BES, em que foram subtraídoss muitos milhões a todos nós.

No futebol os clubes grandes são quase sempre os beneficiados dos erros da arbitragem, mas mesmo assim, insistem em fazer o papel de vitimas. O que aconteceu esta semana com o FC Porto não é nenhuma novidade, mas não deixa de ser escandaloso que o seu treinador, depois de beneficiar de duas grandes penalidades que não foram marcadas contra o seu clube, tenha ainda o desplante de dizer em relação ao árbitro da partida: «Não tenho nenhuma dúvida em relação à sua capacidade. Oxalá tivéssemos sempre árbitros com esta personalidade e capacidade.»

Não podemos nem devemos olhar para estes casos apenas como "fair-divers". É demasiado óbvio que a falta de credibilidade da nossa justiça, com tantas dúvidas e tantos "culpados" por aí à solta, dá cabo de qualquer sociedade. 

Penso mesmo que só os nossos "brandos costumes" é que explicam que não existam mais casos de violência entre nós, quando sabemos que vive tanta gente abaixo dos limiares da pobreza...

A foto é de Edward Steichen.

8 comentários:

  1. O Sócrates até pode ser um grande aldrabão mas um princípio básico que todos os JUSTOS apregoam é que é preciso a PROVA, ou não é? basta apenas dizer que é alrabão e corrupto?

    Bem o que me parece é que o Sócrates chega para eles todos e ainda vai dar cabo de muitos, ai vai vai...

    Mas a cambada tem os dentes afiados, parecem cães a um osso, tal é o ódio; ainda ontem ouvi aquelas duas senhoras a seguir à entrevista destilarem ódio por tudo o que estava à esquerda delas, ódio (e ressabiamento) foi o que vi naqueles olhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também me faz muita confusão, todo este ódio a Sócrates, Severino.

      Enfim...

      Eliminar
  2. Sobre o futebol confesso que no domingo ganhei bem ao Moreirense mas o primeiro golo é precedido de uma falta nítida (não sei como é que nem árbitro nem fiscal de linha viram aquele agarrão), contudo creio que ganhámos bem por três a um.

    O Porto com o Nacional foi uma vergonha -duas descaradas grande penalidades não marcadas-.

    O Benfica ontem foi um completo nevoeiro. Mas ainda falta muito, muito campeonato, ainda agora a procissão vai no adro e ainda ninguém ganhou nem ninguém perdeu (dos três candidatos, claro).

    Abraço e

    Saudações Leoninas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que me chateia é a forma como todos tentam condicionar os árbitros. Todos, Severino.

      Eliminar
  3. mesmo, Luis.
    Num qualquer outro país as pessoas já andavam nas ruas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso que é mais estranho, Laura.

      Eliminar
  4. Não ouvi a entrevista. Cá em casa, o marido gosta de futebol, eu de ler e escrever. Logo ele fica com a TV, e havia futebol nesse dia, e eu fico com o pc e os blogues.
    Quanto ao futebol, com muita pena minha( que sou portista) tenho de concordar, que o jogo do Porto foi uma vergonha.
    E a justiça em Portugal, anda mesmo pelas ruas da amargura. Não só no futebol, e na politica, mas em todas as outras coisas. Todos os dias temos conhecimento de casos que nos deixam de boca aberta.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A justiça é o sector mais descredibilizado da nossa sociedade, Elvira.

      Graças a advogados, juizes, investigadores e jornalistas.

      Eliminar