terça-feira, janeiro 15, 2008

O Jornal "República"

O diário "República" foi fundado há 97 anos, por António José Almeida, médico e político ligado ao Movimento Republicano, que seria também presidente da República, entre 1919 e 1923.

Este jornal sempre se assumiu como laico e liberal, mesmo no Salazarismo e Marcelismo. Por esse motivo nunca foi um jornal de massas, mas era o diário que procurava dar uma informação mais livre, apesar de ser o alvo preferido da censura...
Foi sempre uma pedra no sapato e fez excelentes reportagens sobre as eleições mais polémicas (presidenciais de 1958 e legislativas de 1969 e 1973) durante o período ditatorial.
Curiosamente acabaria por ser vitima da própria democracia, fechando as portas em 1975, depois de um clima de grande agitação interna, provocada por "guerras" partidárias, entre socialistas e comunistas, que lutavam pelo poder da direcção do Jornal...

15 comentários:

  1. apontamento histórico digno de registo...

    ResponderEliminar
  2. Oh, se me lembro...

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Assim se escreve a história das pessoas e dos países, parabéns pelo apontamento tão interessante..um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Um jornal que noticiava todos os aspectos do país, creio que em 1975 era Raul Rêgo o director.

    Abraço*

    ResponderEliminar
  5. Luis.





    grata.

    (íssima).



    pela companhia.

    gentil.



    _________________abraço.

    ResponderEliminar
  6. As "guerras" partidárias acambam sempre com o que há de melhor...
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  7. Ainda me lembro de ter andado por lá! Bela memória!

    ResponderEliminar
  8. E a falta que nos faz um "República", Luís...

    ResponderEliminar
  9. Claro Sininho, é coisa do teu tempo...

    ResponderEliminar
  10. Pelo menos tenta-se "Bicho de Conta"...

    ResponderEliminar
  11. Era... e ele também esteve no centro da discórdia, Maria P...

    ResponderEliminar
  12. E eu?

    Que bom haver horas tardias, Isabel...

    ResponderEliminar
  13. Pois acabam, quase sempre sem qualquer contemplação, Graça...

    ResponderEliminar
  14. Então sabes bem do que falo, Helena...

    ResponderEliminar