quarta-feira, dezembro 14, 2016

«Quem reparar em nós há-de pensar que somos um casal de espantalhos, plantados aqui neste morro batido pelo vento.»


«Isto agora parece o paraíso, mas no Inverno passamos por aqui dias terríveis. Quando saímos à rua sentimos o mar do seu pior lado, entranha-se de tal forma dentro de nós, que o que nos apetece é ir viver para um lugar normal.»

Foi quando quis saber o que era isso de um lugar normal... E ele respondeu-me, apontando:

«A aldeia, onde vivem os outros.»

Mas depois aparece a Primavera e tudo volta ao normal, insisti eu.

«Sim, em Março já passamos o tempo fora de casa. Quem reparar em nós, há-de pensar que somos um casal de espantalhos, plantados aqui neste morro batido pelo vento, onde se ouve e sente o coração do mar.»

Quando falei do Verão ele sorriu e disse:

«Não sei o que é melhor, se o Verão ou o Inverno. O que um tem a menos, tem o outro a mais...»

Devolvi-lhe o sorriso. Como o compreendia... 

(Óleo de Albert Marquet)

2 comentários:

  1. Ninguém vive longe do mar por vontade própria. Ele faz parte de nós. Nem quando ele se revolta, e nos amedronta, perdemos o fascínio por ele.
    Um abraço e Feliz Natal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não, Elvira. Ele é único...

      Eliminar